sexta-feira, 8 de setembro de 2017

(Des)Aventuras | Como as crianças vêm os "mais crescidos"

Fotografia por Scott Webb, no Pexels

Ocupei o lugar de prima mais nova durante muitos anos. Somos uma família numerosa e o meu papel de bijuzinho, única menina num mar de testosterona, enchia-me as medidas . A certa altura, como quem não quer a coisa, passos pequeninos infestaram os eventos familiares e o papel de prima mais velha (para um grupo de três pestinhas) começou a instalar-se no meu coração.
Sempre tive paciência para eles, para correr, para brincar, descalçar as botas de salto alto e andar descalça no parque infantil... Encho-os de mimos, tal como eles me fazem a mim e detesto passar muito tempo afastada.
Este meu papel tem os seus senãos: conversas sobre temas para além das Winks e da Patrulha Pata tornam-se complicadas, comer quando eles já acabaram sem gritos e puxões impossível e há aqueles dias em que tenho de fazer cara feia e dizer não à brincadeira que vai, decerto, acabar em lamuria.
Estava a comer e eles, como sempre, impacientes para que acabasse. Nos meus melhores dias não conseguiria imaginar o que veio a seguir.

"Temos de aproveitar enquanto ainda brincas connosco. Estás a ficar crescida e vais deixar de querer saber de nós."
Escusado será dizer que ouvir isto me partiu o coração.
Já mais velha, a minha prima ouve-me a falar da faculdade, de planos para viajar e de coisas que, por mais que se esforce, ainda não consegue compreender. Ainda bem que não, deixem-nos guardar a inocência deles enquanto o devem fazer. Para além do mais, têm à sua volta os 'inimigos', os mais crescidos, os adultos, que não lhes dão tanta atenção nas festas e almoços. Estaria eu, aos olhos deles, a tornar-me numa dessas criaturas?
Todos temos uma criança dentro nós. Genuína, brincalhona e despreocupada, enterrada no meio das preocupações do dia-a-dia. É compreensível. O mundo dos adultos tem pouco espaço para deixar essa alegria vencer, mas eles não vêm isso dessa maneira.
Eu estou a crescer, é a realidade. Para bem ou para mal, não consigo parar do fazer.
Ajoelhei-me perante eles, de forma a que não vissem mais uma "grande" mas sim um igual e tentei explicar que sim, estou a crescer, que vou ficar tão "grande" como toda a gente mas que, de maneira nenhuma, iria deixar de querer saber deles. Vou continuar a brincar, vou continuar a sorrir e a tentar que eles tragam a minha infantilidade à superfície.
Eles fazem com que me lembre das pequenas coisas, que tanto os fascinam mas que, para mim, já são tão normais. Às vezes torna-se chato brincar uma e outra vez às escondidas. No entanto, nada me deixa mais feliz que ver um sorriso nas caras deles.
Acompanhar os crescimento dos meus primos (e fazer parte dele), tal como o resto da minha família acompanha o meu, é recompensador. Ouvir a minha prima dizer que quer que lhe mostre os filmes da Marvel deixa-me em pulgas, mostrar-lhe Oasis e receber um feedback positivos faz-me delirar, ouvi-los dizer que acham piada ao aparelho, que a minha t-shirt dos Iron Maiden é esquisita e que querem que eu lhes conte tal história outra vez, faz com que esboce o maior dos sorrisos.
Ao ouvir o que ouvi, apercebi-me o impacto que tenho na vida dos pigmeus que tanto adoro. Fiquei nostálgica. Também eles estão a crescer sem sequer se aperceberem. Comecei  mais valor à visão que eles têm no mundo, tão crua e mutável como a que outrora eu mesma tive.

11 comentários:

  1. As crianças vêm o mundo de uma forma tão descomplicada, tão genuina, que é impossível não ficarmos maravilhados com as suas deduções. Mesmo que exista muita coisa que ainda não compreendem, e ainda bem, porque têm tempo de crescer, o raciocínio deles é fascinante e acho mesmo que deviamos colocar-nos no lugar delas. A minha orientadora de mestrado passava a vida a dizer que temos que subir ao nível das crianças. E não podia concordar mais.
    «apercebi-me o impacto que tenho na vida dos pigmeus que tanto adoro», tenho esta experiência com os meus afilhados e às vezes torna-se surreal. Porque há coisas que até lhes dizemos em conversa, mas achamos que lhes passou ao lado e depois surpreendem-nos por completo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eles têm uma capacidade enorme de nos surpreender. Aprendemos tanto com as crianças como elas aprendem connosco, precisamos de estar mais atentos aos seus pequenos gestos e manias, que dizem tanto sobre o modo como vêm o mundo. Falta-nos a sua genuinidade e simplicidade. Podíamos ganhar muito com ela

      Eliminar
  2. Que relato maravilhoso! E deu-me uma nostalgia enorme. As crianças são tão puras!

    (Quem me deram que os meus primos também quisessem ver filmes da Marvel...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada!
      O truque é falar sobre o assunto até que eles fiquem curiosos, uma pessoa tem de transmitir as suas paixões (sim, os meus primos sofrem)

      Eliminar
  3. Identifiquei-me imenso com esta publicação! Também tenho vários primos pequenos que adoro, e com quem nunca deixarei de brincar, enquanto eles quiserem!
    (Quote da minha prima de 6 anos: "Agora vamos todos tirar os sapatos, menos a Mariana, que já é crescida") :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahahaha, espero que tenhas gostado!
      São uns doces

      Eliminar
  4. Este texto fez-me lembrar da minha prima mais nova, de quem cuidei desde que nasceu e que ainda é próxima de mim, quase doze anos depois. Fiz parte do crescimento dela, e ela tem feito parte do meu também. Vamos aprendendo muito uma com a outra :)
    la veine chronicles

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, sem dúvida, recompensador.
      Tocamos todos aqueles que passam pela nossa vida, tal como eles nos tocam a nós. Saber que influenciamos alguém tão importante para nós de forma positiva enche o coração de qualquer um

      Eliminar
  5. Adorei este texto! As crianças são mesmo tão puras, vêm o mundo de forma tão descomplicada e são tão diretas. É incrível como eles são perspicazes ao ponto de pensar " a minha prima quando for grande já não vai brincar comigo".
    Cuidar de crianças e brincar com elas é muito gratificante e mantém viva a criança que existe dentro de nós :).
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada!
      A forma como vêm o mundo permite-lhes, muitas vezes, perceber mais do que nós

      Eliminar